Diego Garcia

Conheci o Mamadou Ba numa mesa de café, num intervalo de uma iniciativa nacional de uma estrutura partidária da qual fazíamos parte. O assunto da conversa era um daqueles que às vezes, a nós, Esquerda, nos custa falar publicamente por puro preconceito ideológico e sectarismo. Sobre esse assunto, que não vou nomear agora porque não tem um verdadeiro interesse para o momento, o Mamadou chamou os bois pelos nomes falando que a Esquerda não deve de ter vergonha de abordar de certas coisas. Eu, que estava sentado também na mesa, prestei atenção ao que o Mamadou falava, recordo e recordarei essa conversa para sempre e assim se forjou um dos meus lemas de vida: A política deve fazer-se sem medos. 

Com isto, quero dizer que são necessárias pessoas que chamem os bois pelos nomes, como o Mamadou. Eu aprendi, em 15 minutos, com ele. 

O Mamadou tem, incansavelmente, lutado por um mundo e um país mais justo para todos e todas. Eu, como jovem imigrante, agradeço-lhe todo o trabalho que tem feito e que continuará a fazer. 

Grato Mamadou e continua a chamar os bois pelos nomes, é extremamente necessário! 

Diego Garcia
ativista, coordenador da Juventude Unida dos Países de Língua Portuguesa e trabalhador-estudante do Ensino Superior