João Moreira

O Estado iliba André Ventura quando este, de forma difamatória e mentirosa, acusa Fernando Rosas de torturar e sequestrar mulheres em 1976. Quase simultaneamente o mesmo Estado, através do Ministério Público, leva a julgamento Mamadou Ba por este afirmar que o neonazi Mário Machado é «uma das figuras principais do assassinato de Alcindo Monteiro» – facto provado pelo Supremo Tribunal.

Estes dois factos revelam a posição do Estado português perante a evidente e cada vez mais perigosa ascensão da extrema-direita.

Estar ao lado de Mamadou Ba é, portanto, uma obrigação de todos os democratas que não se curvam perante um Estado que se mostra complacente (ou conivente?) com as principais figuras do neonazismo e da extrema-direita.

Estar do lado de Mamadou Ba é estar do lado da liberdade, da igualdade, da fraternidade, dos direitos humanos.

João Moreira
investigador