Luísa Acabado

Se o Mamadou Ba fosse, quem ficaria? Se se podem expulsar pessoas, quem são as pessoas que têm “direito” a ficar?

A petição para a expulsão do Mamadou Ba não é sequer discutível.

Não por ele ser português, mas porque temos nas mãos a construção de um país plural, de liberdade e direitos, em igualdade e democracia. Um país que consiga quebrar os mitos do passado e do presente. Do quinto império à lusofonia. Da escravocracia ao empreendedorismo.

As campanhas de que tem sido alvo Mamadou Ba, do insulto racista, às ameaças várias e à recente petição de expulsão são preocupantes. São sintomas mais do que diagnosticados. Sabemos bem que não os podemos deixar passar. Sabemos bem que se não cerrarmos fileiras cairão todas as vozes livres. Saibamos também que não basta sermos de carne e osso.

Ficamos com Mamadu. Fiquemos com todas as pessoas que fazem os seus dias na luta por um futuro mais justo e solidário.

Luísa Acabado
jurista