Cristina Gomes da Silva

Num mundo livre cada pessoa conta, cada escolha é legítima, cada voz tem lugar. Num mundo livre o direito de ser Eu não me dá o direito de impedir o Outro de ser diferente de mim em liberdade. Num mundo livre e aberto podemos escolher de que lado estamos e para onde vamos. 

Mamadou Ba nasceu no Senegal, mas há quase um quarto de século escolheu também ser Português. Foi livre na escolha e na vida. Assim queremos que continue a ser, em liberdade, diversidade e humanismo. 

“Pode alguém ser livre, se outro alguém não é?” (Sérgio Godinho) Não, não pode! Por isso as nossas vozes vão continuar a dizer: Mamadou Ba fica! Mamadou Ba é português e não há deportação para portugueses, nem a cor da pele determina a nacionalidade.

Há uma ética Humanista onde o racismo não tem lugar. Portugal precisa de defender essa ética. 

Um abraço, Mamadou.

Cristina Gomes da Silva
socióloga e professora do ensino superior