Cláudia Henriques

O crime de difamação, de que Mamadou Ba é acusado, visa, em teoria, proteger o bem jurídico “honra”. Logo aqui, o processo que tornou Mamadou Ba arguido bate de frente, qual despiste automobilístico estrondoso e mortal, num contrassenso bizarro, descabido e sem solução possível, porque não aplicável. Pode um indivíduo cuja vida se norteia por valores racistas e fascistas, ser atingido na honra que não possui?

O meu obrigada a Mamadou pelo seu percurso ativista e pelo exemplo de cidadania que nos oferece em todos os combates e lutas que abraça. Devemos-lhe – todos – muito. O meu repúdio e vergonha pela decisão e pelo sistema judicial que o leva a julgamento, dando respaldo a quem vive do ódio, e nele prospera.

Cláudia Henriques
investigadora do CECS/UM