João Silva Jordão

O Mamadou Ba é uma das pessoas que mais admiro em Portugal por causa da sua coragem e dedicação à luta contra o racismo.

Este processo é simplesmente rídiculo quando tomamos em conta que o Mamadou é ele próprio uma vítima constante de difamação, assédio e ameaças, sem que os agressores sejam devidamente levados à justiça pelo sistema Judicial, sistema Judicial que agora quer ele próprio punir o Mamadou por este ter dito algo que vai na mesma direção de algo que o próprio sistema Judicial julgou, neste caso, a punição de Mário Machado pelo envolvimento num assassinato. Ou seja, o tribunal julga que Mário Machado esteve envolvido num assassinato. Décadas mais tarde, Mamadou chama Mário Machado de “assassino”. Este depois processa Mamadou por difamação. Não deveria o tribunal simplesmente ignorar a queixa e lembrar a Mário Machado da sua condenação prévia? 

Por vezes dou-me a pensar que o Mário Machado inicialmente até deve ter submetido o processo por difamação mais como um ato de provocação mediática, e que provavelmente nunca pensou que iria levar ao que quer que fosse. O facto de um tribunal não só ter levado a queixa a sério, como decidiu prosseguir com o processo, faz deste triste episódio uns dos capítulos mais bizarros, injustos e revoltantes da história moderna do sistema Judicial Português.

O Mamadou é inocente, obviamente.

João Silva Jordão
administração e pós-vendas