Fátima Pires

Conheço o Mamadou há vários anos. E conheço-lhe a honestidade e a franqueza. Os ataques de que tem sido alvo não começaram agora, mas tornaram-se mais visíveis, mais intensos, mais vergonhosos. Por tudo isso é que aqui estou a escrever. Mas se não o conhecesse, diria o mesmo. Fica porque esta é a sua terra e ele quer ficar. A nossa terra é de todos os que nela queiram viver (até dos paspalhos que acham estar numa espécie de clube privado, restrito a outros paspalhos como eles). Da tristeza de ter que afirmar, declarar, mostrar o óbvio ao alívio de perceber que somos muitos aqui a dizê-lo: Mamadou fica.

Fátima Pires
professora