Andreia Galvão

O medo não tem morada aqui

Não quero viver num país onde reine o medo.

Ele chega baixinho,

 a sussurar ao nosso ouvido. 

Com passinhos-de-lã envolve o nosso espírito, 

vai ameaçando a convição

 Tudo isto enquanto engole a nação.

Começa com uma simples petição,

assinada por revolta.

É uma anedota”, 

descansa parte da oposição.

Mas não é uma ameaça remota

Torna normal que se diga

que com a mão com que se dá

-sim, essa mão-

também se tira.

o racismo espreita

e o neoliberalismo é reforçado.

com mentiras e calúnias

o socialismo é silenciado.

mas havemos de ganhar

porque a luta

não é fácil de se assustar.

Andreia Galvão
estudante e ativista antirracista