Joana Lopes

Mamadou, tu ficas. Como eu fiquei.

Nasci no mesmo continente que tu. Portuguesa de segunda, mas branca. E isso fez toda a diferença porque nunca me mandaram para a minha terra.

Hoje, estamos ambos neste país que é nosso e que precisa que continues a lutar para que seja melhor, para que os nossos filhos e os nossos netos tenham uma vida mais decente e de cabeça erguida. Para a frente, Mamadou, estamos contigo e o teu futuro é o nosso também.

Joana Lopes
reformada