João Manuel de Oliveira

O trabalho que Mamadou Ba tem realizado como ativista é de suma importância para a sociedade portuguesa. Recentemente graças a ele e a outras/os ativistas e intelectuais começamos a olhar-nos num espelho que antes nos era menos oferecido, que permitiu perceber as feridas e traumas de um império colonial e de como nesse período se produziram discriminações e normas racistas que persistem até hoje. Possa a sociedade portuguesa aprender a escutar as vozes das pessoas negras, indígenas e afrodescendentes que resistem na pele a esse racismo estrutural e colonialidade que são, infelizmente, alicerces históricos da nossa sociedade e com isso proceder ás transformações necessárias para mudar.  Mamadou Ba tem sido incansável a denunciar esse intolerável racismo e deveriamos estar todas/os muito gratas e gratos por isso. Ao contrário, assistimos ao racismo aberto com os seus sonhos molhados de fortaleza europa, de deportação e de expulsão com petições mesquinhas e comentários de ódio, vindo de grupos com valores desprezíveis, coloniais e racistas e por isso anti-democráticos. Quero juntar-me aos votos de congratulação pela ação de Mamadou Ba e pela sua resistência anti-racista e anti-fascista, vital para a democracia em Portugal.

João Manuel de Oliveira
professor universitário e investigador