Ann Antidote

Essas aberrações que vieram a ser as várias divisões de terra e território, e com isso também as fronteiras, são nada mais do que a violência brutal e ilegítima em que seres humanos arrogam sobre outros a decisão de se deslocar, de permanecer, de viver dos recursos que a terra oferece ou de negar os seu acesso. As consequências são inúmeras e perversas,onde se contam os nacionalismos, os racismos, todos esses ismos que perpetuam estruturas de injustiça e opressão. E miséria e morte.

Mamadou fica. Fiquemos todxs, fiquem todxs os que assim desejem. Onde quiserem, quando quiserem. Porque essas divisões são artificiais e desnecessárias.

Mas para o contexto atual em que todas essas divisões e violências existem:

Precisamos muito, muitíssimo do Mamadou porque precisamos todxs de reconhecer e eliminar o racismo das nossas sociedades, comunidades, pensamentos e ações. Precisamos da persistência e paciência com que Mamadou tem trabalhado nisto há anos. Precisamos dele como exemplo. Precisamos de aprender com ele. Precisamos de lutar ao lado dele.

Precisamos de sociedade/s e cidadania/s justas, igualitárias, democráticas, sustentáveis e solidárias.

Gostava de relembrar para fechar uma frase usada noutro contexto em 2006 e que permanece pertinente:

“Um presente sem violência, um futuro sem diferença”

Ann Antidote (ela/elxs)
artista / ativista / gambiarra