Julieta Monginho

Uma vez, no acaso de amigos comuns, jantei ao lado de Mamadou num pequeno restaurante, em Lisboa. Repartimos doses de carapauzinhos fritos com arroz de tomate, tanto quanto me recordo. Falámos de racismo, pois claro, num português suave e determinado a concretizar o simples direito fundamental à não discriminação. 

A vida não está fácil para estas conversas serenas de caso e acaso em lugares públicos. Parece que agora é preciso um convite especial para outra dose de carapauzinhos, ou bacalhau com todos, quando o confinamento acabar. O convite está feito, 

Julieta Monginho
escritora