Deolinda Martin

Mamadou,

Vai longe o dia em que te ouvi pela primeira vez, numa qualquer iniciativa do BE, confesso que me abanaste com a tua intervenção, inicialmente achei-te agressivo, deixaste-me pensativa…Ganhaste a minha atenção!

Sou filha da descolonização, aprendi na pele que quando a historia e escrita com base na exploração, na colonização do outro, acaba sempre mal…Da atenção que me mereceste percebi que tínhamos pela frente um longo caminho a percorrer – a descolonização das ideias, das mentes ainda esta por fazer!

Sou vereadora num concelho em que urge o empoderamento de quem vive a discriminação e a violência diariamente, onde há que derrubar os muitos muros invisíveis que o separam, o dividem, precisamos de ti e de tantos e tantas como tu!

Sonhamos um Portugal onde a palavra racismo seja passado, sabendo no entanto que a dureza deste combate só se vence com a solidariedade de quem partilha a mesma trincheira! És para mim a minha referencia maior neste combate de dar voz e direitos a quem o sistema teima em calar, em considerar periférico!

Estou contigo, conta comigo, toda a solidariedade!

Deolinda Martin
professora reformada